Buscar

A verdadeira história por trás da obsessão dos ingleses por chá...

Imagine a pessoa mais Inglesa que você conseguir conceber. Agora tenho quase a certeza de que não importa a imagem que acabou de criar, essa pessoa aparece como tendo um lábio superior rígido e uma xícara de chá na mão. Porque é isso que os ingleses fazem. Eles continuam e tomam chá.


O chá é uma parte tão enraizada da cultura, que também está enraizada na forma como todos os outros ao redor do mundo percebem essa cultura.


E embora seja do conhecimento geral que os ocidentais têm de agradecer à China pelo cultivo original da poção tânica, é muito menos conhecido que foram os portugueses que inspiraram a sua popularidade na Inglaterra - em particular, em uma mulher portuguesa. Pense nisso na próxima vez que estiver bebericando seu fumegante chá Oolong em canecas delicadas no Ritz, ou sob o retrato de Earl Grey no Museu Victoria & Albert.


Poucas pessoas sabem que foram os portugueses que inspiraram a popularidade do chá na Inglaterra (Crédito: Christopher Furlong/Getty Images)


Viaje no tempo até 1662, quando Catarina de Bragança (filha do rei João IV de Portugal) ganhou a mão do recém restaurado monarca inglês, o rei Carlos II, com a ajuda de um dote muito grande que incluía dinheiro, especiarias, tesouros e os lucrativos portos de Tânger e Bombaim. Este enlace fez dela uma senhora muito importante: a Rainha de Inglaterra, Escócia e Irlanda.


Quando ela se mudou para o norte para se unir ao Rei Carlos, diz-se que ela empacotou chá de folhas soltas como parte de seus pertences pessoais; também teria sido provavelmente parte de seu dote. Uma lenda divertida diz que as caixas estavam marcadas como Transporte de Ervas Aromáticas - mais tarde abreviadas para T.E.A. (chá, em inglês).


Esta última parte provavelmente não é verdade (os etimologistas acreditam que a palavra "chá" veio de uma transliteração de um carácter chinês), mas o que é certo que o chá já era popular entre a aristocracia portuguesa devido à linha de comércio direto do país com a China através da sua colônia em Macau, que se estabeleceu pela primeira vez, em meados do século XV.


Ao casar com o Rei Carlos II da Inglaterra, a portuguesa Catarina de Bragança continuou a tomar chá como parte da sua rotina diária (Crédito: DEA/G. DAGLI ORTI/Getty Images)


Quando Catarina chegou à Inglaterra, o chá estava sendo consumido lá apenas como um remédio, supostamente revigorando o corpo e mantendo o baço livre de obstruções. Mas, como a jovem rainha estava acostumada a tomar o chá como parte de sua rotina diária, ela - sem dúvida - continuou seu hábito, tornando-o popular como uma bebida social e não como um tônico para a saúde.


Tudo, desde as roupas de Catarina até os seus móveis, tornou-se a fonte da conversa da corte.


"Quando Catarina se casou com Carlos, ela era o centro das atenções - tudo, desde a roupa até a mobília, tornou-se a fonte da conversa do tribunal", disse Sarah-Beth Watkins, autora de Catarina de Bragança: A Rainha da Restauração de Carlos II. "A bebida habitual de seu chá encorajava outros a tomá-lo. As senhoras juntaram-se para copiá-la e fazer parte do seu círculo".


O renomado poeta da época, Edmund Waller, até escreveu uma ode ao seu aniversário pouco depois da sua chegada, que ligou para sempre a rainha e Portugal com o status de moda do chá na Inglaterra. Ele escreveu:


"O melhor das rainhas, e o melhor das ervas, nós devemos

A essa ousada nação, que o caminho mostrou

Uma linda região, onde o sol nasce,

E cujas produções ricas nós tão justamente premiamos."


As senhoras afluíram para fazer parte do círculo de Catarina, copiando rapidamente o seu hábito de tomar chá (Crédito: Crédito: Culture Club/Getty Images)


Para ser justo, o chá podia ser encontrado na Inglaterra antes da chegada de Catarina, mas não era muito popular. "Está registrado Waller tomando chá em 1657, o que é ao todo seis anos antes de Catarina aparecer", disse Markman Ellis, professor de Estudos do século 18 na Queen Mary, Universidade de Londres, e co-autor do Empire of Tea: A Folha Asiática que Conquistou o Mundo. "Ele é um conhecido aficionado pelo chá, o que é incomum por ser tão caro e todos tomavam café nesta época".


A razão do custo era triplicada: A Inglaterra não tinha comércio direto com a China; o chá da Índia ainda não existia; e as pequenas quantidades que os holandeses importavam eram vendidas a um preço muito elevado.


"Era muito caro porque veio da China sendo muito tributado", explicou Jane Pettigrew, autora de A Social History of Tea, vencedora do prêmio World Tea Awards 2014 de melhor educadora de chá e diretora de estudos da UK Tea Academy.


Como a Inglaterra não tinha comércio direto com a China, o chá era uma mercadoria cara (Crédito: Blake Kent/Design Pics/Getty Images)


Na verdade, era tão caro (uma libra era muito para um cidadão da classe trabalhadora), que, de acordo com Ellis, "excluiu qualquer um, exceto os setores mais elite e mais ricos da sociedade". Assim, o chá tornou-se associado à sociabilidade das mulheres de elite em torno da corte real, da qual Catarina era o emblema mais famoso".


E o que acontece com as pessoas famosas? As pessoas não-famosas as imitam. "Quando a rainha faz algo, todos querem seguir o exemplo, então muito, muito gradualmente, no final do século 17, a aristocracia começou a tomar pequenas quantidades de chá", disse Pettrigrew.


É claro que a classe alta não inventou o ritual de tomar chá sozinha - eles também eram imitadores. Como Pettigrew conta: "Até o chá chegar com os holandeses, nós [os ingleses] não sabíamos nada sobre o chá". Sem colheres de açúcar, sem xícaras, sem chaleiras (apenas chaleiras de cozinha), então fizemos o que sempre acontece: copiamos todo o ritual da China. Importamos minúsculas taças de chá [chinesas] de porcelana, os pires, os pratos para o açúcar, os bules pequenos".


Os ingleses copiaram todo o ritual do chá da China, mesmo importando bules chineses (Crédito: Crédito: ZenShui/Laurence Mouton/Getty Images)


O país natal de Catarina também contribuiu para a popularização deste aspecto da experiência do chá. "Portugal foi uma das rotas [pelas quais] a porcelana chegou à Europa", observou Ellis. "Era muito cara e muito bonita, e uma das coisas que tornava o chá atraente era tudo o que o tornava bonito, como ter o último iPhone".


Como era tão apreciada, a porcelana fazia provavelmente parte do dote de Catarina e, como outras senhoras aristocráticas, ela teria acumulado muitos adornos lindos para almofadar as suas sessões de chá, uma vez que ela vivia na Inglaterra.


Pettigrew explica: "Ela começou como um hábito aristocrático em seus palácios - muito chique, muito classe alta, e assim a cerimônia que chegou da China foi imediatamente associada à boa vida. Assim que o chá chegou, tinha ligações muito fortes com as mulheres e com casas muito grandes; suponho que através de Catarina, porque a porcelana custava muito dinheiro. Os pobres tinham que fazer o devido com a louça de barro. Então, tudo o que era caro tinha a ver com a aristocracia. É o mesmo que hoje: "Comprar coisas caras para mostrar o quão importante você é."


Markman Ellis: "Uma das coisas que tornava o chá atraente eram todas as coisas bonitas que o acompanhavam" (Crédito: Crédito: Stuart McCall/Getty Images)


Eventualmente as classes mais baixas transformaram o chá numa bebida mais igualitária, mas, hoje, os viajantes a Londres ainda podem experimentar a pompa e a circunstância aristocráticas nos serviços de chá da tarde dos hotéis de luxo, sobretudo no Langham Hotel's Palm Court em Londres (que afirma ser o local de nascimento do chá da tarde), no famoso Ritz London e no Claridge's.


Também se podem encontrar eventos de chá extravagantes em Portugal, mas mesmo lá, a ligação à Rainha Catarina não é muito conhecida. No município histórico de Sintra, porém, um hotel está tentando mudar isso. No Hotel Tivoli Palácio de Seteais Sintra, o diretor-geral, Mário Custódio, está prestes a lançar um chá especial à tarde, tematizado depois de Catarina, em outubro [isso em 2017]. "Na escola não entendemos isso [história]", disse Custódio. "Eu não fazia ideia. Nem os portugueses sabem disso".


A zona de Sintra, espalhada por exuberantes montanhas verdes há cerca de 30 minutos de Lisboa, é um Patrimônio Mundial da Unesco, conhecido pelas suas exposições concentradas de arquitetura romântica europeia.


O Palácio Seteais, construído na década de 1780 pelo cônsul holandês Daniel Gildemeester, é apenas uma das várias casas ornamentadas e caprichosas que pontilham a paisagem de Sintra; as loucuras do bolo de casamento com vista para jardins e parques intrincados e espalhados. A Rainha Catarina nunca viveu aqui, mas a concentração de antigas riquezas e mansões maravilhosas torna-o o local perfeito para refletir sobre o que era a vida da nobreza portuguesa. Pode-se facilmente imaginar mulheres nobres vestidas com opulência reunidas em salões decorados, a tilintar xícaras de chá e a trocar notícias e mexericos.


Os viajantes ainda podem experimentar o chá da tarde nos hotéis de luxo de Londres, incluindo The Ritz (Crédito: Crédito: Imagedoc/Alamy)


Para Custódio, trazer à vida estes trechos pouco conhecidos da história é o que torna a experiência de viagem especial e pessoal para os visitantes. "Estou tentando [apresentar] essas coisas que são muito desconhecidas, porque isso é luxo hoje", disse ele.


O serviço de chá diário (aberto apenas aos hóspedes do hotel) destacará aspectos da ligação portuguesa a esta tradição. Por exemplo, Custódio está trabalhando com um historiador para servir o tipo de chá que Catarina teria tomado (Ellis acha mais provável que seja um chá verde, pois nenhum chá saiu da Índia até os anos 1830, muito depois de ter falecido). A marmelada também fará parte do menu, pois essa é outra parte da mitologia de Catarina de Bragança em que Custódio tropeçou em suas pesquisas. A história conta que, como algumas das melhores laranjas do mundo vêm de Portugal, Catarina mandou enviá-las regularmente para a sua nova casa inglesa. As que não faziam a viagem em boas condições eram transformadas em marmelada. Claro que as laranjas inteiras eram mais apreciadas, por isso se a Rainha Catarina lhe desse como presente uma marmelada em vez de laranjas, isso significava que ela não lhe tinha apreço.


O Palácio de Seteais em Sintra oferece um vislumbre de como era a nobreza portuguesa. (Crédito: Zoonar GmbH/Alamy)


A propagação no Palácio Seteais virá sem tais julgamentos. Custódio espera simplesmente que ao se misturar com os visitantes durante o serviço de chá temático e ao presenteá-los com um pequeno livro - completo com códigos QR para mais fotografias, fatos históricos e histórias divertidas - ele estará ajudando a partilhar algo da cultura e da cor da sua casa e a reforçar a influência a longo prazo da pouco conhecida história de uma rainha portuguesa, transplantada de seu pais.


"Nós, portugueses, queremos acreditar que Catarina foi a responsável pelo chá". Eu não quero que esta história morra", diz ele finalmente.


Por Billie Cohen, do site da BBC Viagens


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo