Buscar

O Cristal da Boêmia



O vidro da Boêmia, principalmente designado por cristal da Boêmia, é um vidro produzido nas regiões da Boêmia e da Silésia, atualmente partes da República Checa. Tem uma história de séculos de reconhecimento internacional pela sua elevada qualidade, artesanato, beleza e desenhos muitas vezes inovadores. Vidros decorativos cortados à mão, gravados, soprados e pintados, desde flautas de champanhe a enormes lustres, ornamentos, estatuetas e outros artigos de vidro, estão entre as exportações checas mais conhecidas e imensamente populares como lembranças turísticas. A República Checa acolhe numerosos estúdios de vidro e escolas frequentadas por estudantes locais e estrangeiros.



As mais antigas escavações arqueológicas de sítios vidreiros da região datam de cerca de 1250 e estão localizadas nas montanhas lusas da Boêmia do Norte. Outros locais checos notáveis de fabricação de vidro ao longo dos tempos são Skalice (alemão: Langenau), Jablonec nad Nisou, ýelezný Brod, Poděbrady, Karlovy Vary, Kamenický Šenov (alemão: Steinschönau) e Nový Bor (alemão: Haida). Várias destas cidades têm os seus próprios museus de vidro com muitos artigos que datam de cerca de 1600. Jablonec nad Nisou, em particular, é famosa pela tradição local de fabricação de bijuteria em vidro. A sua longa história é documentada por grandes coleções no Museu de Vidro e Joalheria de Jablonec nad Nisou.



Entre os mais famosos produtores de vidro checos estão: Moser (considerada a marca checa mais luxuosa), Rückl (o copo deles é propriedade, por exemplo, da rainha britânica Elizabeth II), e Crystalex (o maior produtor checo de copos, marca própria Bohemia Crystal).


Cristal vs. vidro



O significado de cristal versus vidro muda de acordo com o país. A palavra "cristal" significa, na maior parte do mundo ocidental, a presença de chumbo. Na União Europeia, a rotulagem dos produtos "cristalinos" é regulada pela Diretiva 69/493/CEE do Conselho, que define quatro categorias, em função da composição química e das propriedades do material. Só os produtos de vidro que contenham pelo menos 24% de óxido de chumbo podem ser designados por "cristal de chumbo". Os produtos com menos óxido de chumbo, ou os produtos de vidro com outros óxidos metálicos utilizados em substituição do óxido de chumbo, devem ser rotulados como "cristalino" ou "cristal de vidro"].



Nos Estados Unidos é o oposto - o vidro é definido como "cristal" se contiver apenas 1% de chumbo. Na República Checa, o termo "cristal" é utilizado para qualquer vidro requintado e de alta qualidade. Cristal com chumbo significa cristal com mais de 24% de óxido de chumbo.



A presença de chumbo no cristal amolece o vidro e torna-o mais acessível para corte e gravação. O chumbo aumenta o peso do vidro e faz com que o vidro difunda a luz. O vidro pode conter até 40% de chumbo, se for desejada uma dureza máxima. Por outro lado, o cristal pode conter menos de 24% de chumbo se tiver uma elevada proporção de óxido de bário, o que assegura uma difração da luz de alta qualidade.

História





A Boêmia, atualmente uma parte da República Checa, tornou-se famosa pelo seu belo e colorido vidro durante a Renascença. A história do vidro boémio começou com os abundantes recursos naturais encontrados no campo.


Os vidreiros boêmios descobriram que o potássio combinado com o giz criou um vidro incolor claro, mais estável do que o vidro proveniente de Itália. No século XVI, o termo cristal boêmio foi utilizado pela primeira vez para distinguir as suas qualidades do vidro feito em outros locais. Este vidro não continha chumbo, como é normalmente suspeito. Este vidro checo poderia ser cortado com uma roda. Além disso, foram utilizados recursos como a madeira para a queima dos fornos e para a queima em cinzas para criar o potássio. Também foram abundantes as quantidades de calcário e sílica. No século XVII, Caspar Lehmann, cortador de gemas do Imperador Rudolf II em Praga, adaptou ao vidro a técnica de gravação de gemas com rodas de cobre e bronze. Durante esta época, as terras checas tornaram-se o produtor dominante de artigos de vidro decorativos e o fabrico local de vidro ganhou reputação internacional em estilo barroco elevado de 1685 a 1750.



Os vidros checos tornaram-se tão prestigiados como as joias e eram procurados pelos ricos e pela aristocracia da época. Nos palácios do rei francês Luís XV, Maria Teresa, Imperatriz da Áustria e Isabel da Rússia, podiam encontrar-se candelabros de cristal checos.



A Boêmia tornou-se especialista em artesãos que trabalharam artisticamente com cristal. O cristal boêmio tornou-se famoso pelo seu excelente corte e gravura. Tornaram-se professores especializados em produção de vidro em países vizinhos e distantes. Em meados do século XIX, foi criado um sistema de escolas técnicas de fabrico de vidro que incentivava as técnicas tradicionais e inovadoras, bem como uma preparação técnica aprofundada.



Na segunda metade do século XIX, a Boêmia olhou para o comércio de exportação e para o vidro colorido produzido em massa que era exportado para todo o mundo. Os pares de vasos foram produzidos numa única cor de vidro opaco ou em vidro de duas cores. Estes foram decorados em motivos florais de grande esmalte, que foram pintados com grande rapidez. Outras foram decoradas com estampas litográficas coloridas copiando pinturas famosas. Estes objetos de vidro eram fabricados em grandes quantidades em grandes fábricas e estavam disponíveis por venda por correspondência em toda a Europa e América. Muitos deles não eram belas obras de arte, mas forneceram objetos decorativos baratos para alegrar casas comuns. A pintura em vidro invertido era também uma especialidade checa. A imagem é cuidadosamente pintada à mão no verso de uma vidraça, utilizando uma variedade de técnicas e materiais, após o que a pintura é montada numa moldura de madeira biselada.



O artesanato em vidro permaneceu a um nível elevado, mesmo sob o jugo dos comunistas, porque era considerado ideologicamente inócuo e ajudou a promover o bom nome do país. Os designers e fabricantes checos de vidro gozaram de reconhecimento internacional e os objetos de vidro checos, incluindo obras de arte como esculturas, foram expostos e premiados em muitas exposições internacionais, nomeadamente na Expo 58, em Bruxelas, e na Expo 67, em Montréal.



Hoje, lustres de cristal checos são pendurados, por exemplo, no La Scala de Milão, no Teatro dell'Opera de Roma, em Versalhes, no Museu Hermitage de São Petersburgo ou no palácio real de Riade. Vários tipos de objetos de vidro, vidro de arte, ornamentos, estatuetas, bijuteria, missangas e outros também continuam a ser valorizados internacionalmente.



Um dos artigos de vidro pelos quais a nação checa ainda é bem conhecida é a produção de missangas "druk". Os druks são pequenas contas de vidro redondas (3mm-18mm) com pequenos furos de rosca produzidos numa grande variedade de cores e acabamentos e utilizados principalmente como espaçadores entre os fabricantes de joias com contas.

Fonte: Wikipedia

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo